Catálogos de Resumos de Livros

Bem-vindo à nossa página de Resumos de Livros!

Aqui, você encontrará uma seleção cuidadosamente elaborada de resumos concisos e informativos de diversas obras literárias.

Filtros
Filtrar Livros por Categorias
Filtrar por Autores
Filtrar Livros por Autores
Filtrar por Tags
Filtrar Livros por Tags
Filtrar Livros por Categorias
Filtrar por Autores
Filtrar Livros por Autores
Filtrar por Tags
Filtrar Livros por Tags


O livro “O Que O Governo Fez Com Nosso Dinheiro” de Murray N. Rothbard, publicado em 1963 com o título “What Has Government Done to Our Money?”, proporciona uma análise abrangente sobre o dinheiro e o livre mercado na esfera monetária.

Inicialmente, Rothbard explora os fundamentos básicos das trocas voluntárias, destacando a especialização e a divisão genuína do trabalho, de modo que os resultados dessas interações são positivos para ambas as partes. Destacam-se trocas diretas (escambo) e trocas indiretas por meio de bens comerciáveis, suscetíveis às leis de mercado.

Ao discutir o papel do dinheiro, o autor destaca sua função principal como meio de troca e a capacidade de permitir uma complexa estrutura de produção e cálculos econômicos. Sendo assim, o ouro emerge como uma escolha natural para o dinheiro devido à sua facilidade em transações e estoque limitado, tornando-se então uma moeda-mercadoria.

Rothbard argumenta contra a prática de bancos centrais e enfatiza a importância de uma oferta monetária determinada pelo livre mercado. Ele critica a manipulação governamental da moeda, destacando como a inflação, entendida como uma pirâmide financeira devido à maneira que escoa pela sociedade (Efeito Cantillon), prejudica o cálculo econômico, afeta a produtividade e gera ciclos econômicos. Pessoas evidentemente querem mais eficácia monetária (aumento do poder de compra). Entretanto, a imutabilidade do poder de compra é impossível, e este sempre sofrerá oscilações.

O dinheiro é suscetível à oferta e demanda, onde a demanda por dinheiro significa mais bens oferecidos em troca por ele em adição à uma quantia entesourada durante um determinado período. Um aumento na oferta de dinheiro e uma constância em sua demanda significam que o poder de compra cairá. No caso de a demanda por dinheiro subir (ou seja, entesouramento / reserva líquida), ocorre um efeito deflacionário onde o poder de compra sobe e o preço dos bens cai.

Governos só se financiam através de expropriação alheia (tributação). Com a falsificação monetária, conseguiram tal expropriação de maneira mais sutil e despercebida – ou seja, através da inflação. Esta inflação gera aumento de preços não só quantitativa, mas também qualitativa (a qualidade dos produtos caem).

Além disso, o excesso de crédito torna as pessoas mais imprudentes, incentiva demasiadamente o consumo e o endividamento, desincentiva a poupança e moderação e dificulta o cálculo empresarial (o qual estima custos e demandas).

Com isto, podemos observar que o financiamento corporativo pela inflação compõe os ciclos econômicos: o dinheiro criado do nada é usado genuinamente por empreendedores, os quais supõem que tal dinheiro surgiu de poupança voluntária; preços e salários sobem e após o rebalanceamento financeiro da população (ajuste de suas poupanças e orçamento para gastos devido à este aumento salarial) as empresas se mostram insolventes e insustentáveis, fazendo com que a bolha se exploda.

O controle monetário ao longo da história apresentou diversas ferramentas, como o monopólio da cunhagem, que permitia também adulterações, a separação da moeda de seu metal através da atribuição de um nome à unidade metálica e a padronização de denominações novas e antigas pelo mesmo nome. Essa prática resultava na entesouração ou exportação das moedas de massa integral, levando-as a sair de circulação, fenômeno explicado pela Lei de Gresham.

A Lei de Gresham só é válida em uma situação de intervenção (controle de preços coercivos sobre as taxas de câmbio). Ela implica que um dinheiro artificialmente subvalorizado, com o tempo, será entesourado ou exportado, diminuindo sua quantidade em circulação e tornando-o mais escasso, enquanto o dinheiro artificialmente sobrevalorizado será amplamente usado na economia e será mais abundante, consolidando-o como a moeda circulante.

Além disso, o bimetalismo também era usado como ferramenta de controle monetário, onde proporções eram fixadas e uma moeda nominal era criada com base nessa taxa, causava sobrevalorização e subvalorização artificial. O curso forçado pelos governos permitia que bancos operassem insolventes, sendo explorado pelo próprio governo como meio de financiamento em períodos de guerra.

Com a evolução dessas ferramentas de controle monetário, surgiram os bancos centrais, que detinham o monopólio da emissão de cédulas monetárias. Esses bancos foram criados para proporcionar ao governo total controle e direção da inflação, destacando-se o Federal Reserve.

Depois de toda esta base teórica esplanada, o autor agora faz uma análise do histórico monetário ocidental, de modo que ele aborda o declínio dos padrões ouro-clássico (1815 a 1914) e posterior ouro-câmbio (1926 a 1931), o qual tinha a libra esterlina como moeda-chave. No período pré-guerra até o fim da Segunda Guerra Mundial (1931 a 1945), os papéis-moedas flutuantes predominaram. Com o fim da guerra surgiu o Acordo de Bretton Woods, que não passava de um novo padrão ouro-câmbio americano (1945 a 1968).

O ouro abundante nos cofres americanos e a fragilização mundial permitiu que o sistema durasse mais tempo que o inglês. O dólar artificialmente subvalorizado, no período pós-guerra deste sistema, também acabou gerando um desabastecimento mundial de dólares.

Entretanto, por todos os países precisarem manter reservas de dólar, com o tempo este dólar ficou sobrevalorizado; os déficits americanos se tornaram recorrentes; o dólar foi inflacionando e poder de compra do dólar foi caindo; e países repudiavam cada vez mais a obrigação de terem de manter as reservas em dólares, e cada vez mais também solicitavam as restituições em ouro, o que gerou um grande fluxo negativo de ouro dos cofres americanos.

Com isto, houve um período de declínio do acordo de Bretton Woods (1968 a 1971), que desencadeou no surgimento de um duplo mercado de ouro, em uma tentativa de manipular o seu preço e ignorar o preço do livre mercado. Isto acabou sendo um tiro no pé, pois a cotação do ouro perante ao dólar, no livre mercado, se mostrou muito alta, expondo a fraqueza do poder de compra do dólar.

Assim se deu o fim do Acordo de Bretton Woods e volta dos papéis-moeda flutuantes (08 a 12/1971), onde Richard Nixon deu fim ao acordo e tornou as moedas fiduciárias como exclusivamente predominantes mundo afora, sendo agora, pela primeira vez, o dólar sem lastro algum.

Desta forma, papéis-moeda flutuantes (03/1973 a 09/2008) compuseram, durante décadas, o sistema monetário internacional. Possuía algumas características, como: a exclusividade de moedas fiduciárias (lastreadas em confiança no governo); blocos econômicos fixando taxas cambiais; reservas se tornando abundantes; empresas se beneficiando da desvalorização do dólar, o que barateou a exportação de produtos americanos e os encareceu internamente nos EUA (inflação alta para os consumidores americanos). Esta fase foi a nona e última fase vivida por Rothbard, que faleceu em 1995.

A última fase, analisada por Fernando Ulrich no posfácio, revela uma décima fase caracterizada por desvalorizações competitivas e políticas econômicas sem embasamento teórico. A crise do Subprime e a implementação do Quantitative Easing são abordadas como fenômenos contemporâneos que refletem a continuidade das práticas questionáveis no sistema financeiro mundial.

Bancos centrais imprimem o quanto for necessário, comprando ativos tóxicos de bancos insolventes, e provendo liquidez ao sistema. Estabelecem taxas de juros a 0, de modo que países tiveram que seguir esta tendência ou suas moedas se apreciariam muito, prejudicando suas exportações. De acordo com Ulrich, ainda vivemos na mãe de todas as bolhas: dívida soberana e promessas do governo.

Rothbard conclui o livro com uma reflexão sobre a coação governamental, afirmando que ela não produz ordem, mas sim conflito e caos, além de apontar o “plano final” dos governos e bancos. Já Ulrich conclui que lições não foram aprendidas.

“O Que Se Vê e O Que Não Se Vê” é um ensaio escrito pelo economista e filósofo francês Frédéric Bastiat em 1850. Bastiat é conhecido por seus escritos sobre liberalismo e livre mercado, e neste livro ele explora brilhantemente a ideia de que muitas vezes as pessoas se concentram apenas nos resultados imediatos e visíveis de uma ação, ignorando as consequências de segunda ordem a longo prazo ou as oportunidades perdidas. Isso ocorre especialmente em medidas intervencionistas adotadas por governos.

O livro começa com um exemplo simples: um vidraceiro que quebra uma janela. Alguém poderia argumentar que isso é bom para a economia, pois cria trabalho para o vidraceiro. Mas Bastiat argumenta que essa visão é limitada, porque não leva em consideração o que poderia ter sido feito com o dinheiro que foi gasto para consertar a janela – esse dinheiro poderia ter sido usado para outras coisas, como comprar um livro ou um par de sapatos, e assim estimular a economia de outras maneiras. Portanto, o que é visível (o trabalho criado para o vidraceiro) não é a única consideração importante.

Outro exemplo que Bastiat usa é o do protecionismo comercial. Ele argumenta que, embora possa parecer que proteger as indústrias nacionais da concorrência estrangeira é benéfico, isso ignora as oportunidades perdidas que surgem quando as pessoas não são livres para trocar bens e serviços uns com os outros. Ele sugere que o comércio livre é na verdade a melhor maneira de criar riqueza e melhorar a vida das pessoas, ainda que no curto prazo algumas indústrias possam sofrer.

O livro também aborda outras questões econômicas, como o papel do governo na economia, o impacto dos impostos e regulamentações e a importância da inovação e do empreendedorismo. Em cada caso, Bastiat argumenta que a compreensão do que não é visível é fundamental para entender como as escolhas econômicas afetam a sociedade como um todo, e traz exemplos muito simples e acessíveis.

Além disso, o autor também tece fortes críticas às obras públicas, exército nacional, protecionismo, “ludistas”, entre outras questões, e mostra como poupar é algo mais benéfico para a sociedade do que ostentar, e que, no fim, poupar é gastar.

Após o fim da obra principal, ele levanta reflexões sobre o que o estado realmente é – a grande ficção através da qual todo mundo se esforça para viver às custas de todo mundo. Apresenta também algumas peças que satirizam e ironizam a mentalidade dos proibicionistas.

No fim, conclui que tais restrições comerciais tornam uma nação mais pobre e que até mesmo os “protegidos” por tais restrições acabam também se prejudicando.

Bastiat nos convida a questionar nossas suposições sobre o que é bom para a economia e a sociedade, nos lembrando que as consequências de nossas escolhas podem ser complexas e de longo prazo, e que é importante considerar não apenas o que é visível, mas também o que não é. Seus argumentos coerentes e lógicos em favor do livre mercado e da liberdade individual continuam a influenciar o pensamento econômico até hoje.

“As seis lições” é um livro publicado em 1979 escrito por Ludwig Von Mises, um economista austríaco que atuou na defesa do laissez-faire e do liberalismo econômico. O nome da obra em inglês é “Six Lessons”. A obra consiste em uma série de palestras proferidas por Mises em Buenos Aires na década de e transcritas nesta obra pós-morte. Mises discorre sobre Capitalismo, Socialismo, Intervencionismo, Inflação, Investimento Externo e Política e Ideias.

  1. O capitalismo: Mises defende que o capitalismo é o sistema que melhor gerou e distribuiu riqueza e qualidade de vida na história da humanidade, permitindo o aumento da produção e do bem-estar da população.
  2. O socialismo: Mises argumenta que o socialismo limita todas as liberdades, não apenas as econômicas, e que sua implementação leva a uma concentração de poder no Estado, ao invés da liberdade individual.
  3. O intervencionismo: Mises afirma que o intervencionismo econômico, ou seja, a intervenção do Estado na economia, leva ao controle total da economia a médio e longo prazo.
  4. A inflação: Mises argumenta que a emissão descontrolada de moeda para financiar gastos do governo ou criar empregos de forma artificial leva a um ciclo inflacionário, prejudicando a economia e a sociedade.
  5. O investimento externo: Mises defende que o investimento externo é o grande mecanismo de desenvolvimento de países, pois permite o acesso a novas tecnologias, mercados e capital.
  6. A relação entre política e ideias: Mises argumenta que as ideias são mais importantes do que a política, pois são as ideias que orientam o comportamento das pessoas e determinam o curso da história.

O autor acredita que o único dever do estado é o de garantir a segurança para a sociedade e quaisquer outras intervenções acabam se tornando ciclos viciosos de cada vez maiores intervenções. Explica ainda o porquê de uma das maiores intervenções, o controle de preços, não funcionar.

Ludwig von Mises teve uma vivência muito marcante que influenciou diretamente em sua obra “As Seis Lições”. Ele nasceu no Império Austro-Húngaro em 1881 e cresceu em uma família de origem judia nobre. Desde cedo, mostrou ser um aluno brilhante e se formou em 1906 na Universidade de Viena, onde teve aulas com o famoso economista Carl Menger. Durante a Primeira Guerra Mundial, Mises atuou como profissional administrativo e membro do Departamento de Guerra da Austria.

Depois da guerra, Mises continuou a se interessar cada vez mais por economia e foi reconhecido por seu brilhantismo. Em 1934, começou a lecionar em Geneva e, em 1940, migrou para os Estados Unidos com a ajuda da Fundação Rockefeller. Na Universidade de Nova York, tornou-se professor em 1945 e continuou lecionando até sua aposentadoria, em 1969.

Por se tratar da transcrição de algumas palestras, não foi possível se aprofundar mais nos itens discernidos; ainda assim, é extremamente acessível para o público leigo e tem linguagem e reflexões simples, sendo a obra uma ótima introdução para o pensamento econômico liberal, e com ideias cada vez mais relevantes para o mundo atual.

“O homem mais rico da Babilônia”, conhecido em inglês como “The Richest Man in Babylon”, é um livro escrito por George Samuel Clason e publicado pela primeira vez em 1926. A obra, escrita sob a forma de parábolas e contos, tem como objetivo ensinar aos leitores os princípios da administração financeira e da riqueza, contendo lições de finanças e bem-estar financeiro.

O livro se divide em sete capítulos, cada um abordando um tema diferente, como o poder do dinheiro, a importância de poupar, o valor da educação financeira e como investir de forma segura. Clason faz uso de exemplos da vida cotidiana, como o mercado de trigo e a compra de uma casa, para ilustrar os ensinamentos que ele deseja transmitir.

Entre os principais insights do livro, está a importância de poupar pelo menos 10% da renda mensal, a fim de garantir uma reserva financeira para emergências. Com isso, ele mostra a importância de se economizar e investir dinheiro, em vez de gastá-lo em coisas supérfluas ou emprestá-lo a juros altos.

Também é destacada a necessidade de se educar financeiramente, de forma a saber como investir de maneira segura e rentável. Assim, as pessoas se tornam responsáveis pelo próprio bem-estar financeiro e não precisam confiar em outras pessoas ou governos para garantir sua segurança financeira.

Outro ponto importante abordado no livro é a necessidade de se estabelecer metas financeiras e trabalhar em direção a elas de maneira planejada e disciplinada. Clason enfatiza a importância de se ter um propósito claro e um plano para alcançá-lo, para que se possa alcançar a riqueza e a segurança financeira desejadas.

O autor do livro “O Homem Mais Rico da Babilônia”, George S. Clason, baseou-se em lições de finanças e sucesso que eram passadas de geração em geração na Babilônia, antiga cidade da Mesopotâmia, tendo como personagens mercadores, comerciantes e outros profissionais da época.

Em resumo, “O homem mais rico da Babilônia” é um livro para pessoas de todas as idades que oferece ensinamentos valiosos sobre finanças pessoais e como alcançar a independência financeira. Através de exemplos simples e histórias inspiradoras e divertidas, o autor incentiva o leitor a tomar as rédeas da própria vida financeira e trabalhar em direção ao sucesso e à riqueza.

“Quem Pensa Enriquece” é um livro escrito por Napoleão Hill, publicado em 1937. O título original em inglês é “Think and Grow Rich”. A obra foi escrita após o autor ter sido instigado por Andrew Carnegie, um bilionário magnata do aço, para investigar pessoas vencedoras e o que foi feito por elas para atingir o sucesso.

A obra é dividida em 16 capítulos que abordam temas como o poder do pensamento, a importância de ter um objetivo claro, a lei da atração, a comunicação eficaz, a negociação e o trabalho em equipe. Dentre eles, o autor apresenta 13 princípios para o sucesso: desejo, fé, auto-sugestão, conhecimento especializado, imaginação, planejamento organizado, tomada de decisão, persistência, poder do Mastermind, mistério da transmutação sexual, mente subconsciente, cérebro e sexto sentido (intuição). Estes princípios são considerados fundamentais para o êxito e Hill orienta o leitor a desenvolvê-los em sua própria vida, acreditando que, quando esses princípios são aplicados de maneira consistente, é possível alcançar o sucesso e a riqueza.

Ou seja, é preciso definir metas específicas, de modo que ele apresenta uma estratégia de planejamento chamada “Definição de Objetivos”. Segundo Hill, o primeiro passo para o sucesso é ter clareza sobre o que se quer alcançar. Isso envolve escrever um plano de ação detalhado com metas específicas e prazos para sua realização. Hill aconselha que essas metas sejam escritas e visualizadas diariamente para manter o foco e a motivação. Além disso, ele sugere fazer uma lista de benefícios que serão obtidos ao alcançar esses objetivos, a fim de reforçar a importância deles. Hill também recomenda que as metas sejam divididas em três categorias: metas pessoais, metas financeiras e metas profissionais. Ele afirma que, ao estabelecer essas metas de maneira clara e concreta, as pessoas terão mais chances de alcançá-las e, consequentemente, alcançar o sucesso.

Hill desenvolve sua teoria de que o sucesso pode ser alcançado através da utilização da mente de forma consciente e planejada, sendo o resultado da combinação do desenvolvimento de hábitos mentais positivos e de ação. Ele acredita que qualquer pessoa pode alcançar o sucesso se seguir um conjunto de princípios e técnicas específicas, e também destaca a importância de se rodear de pessoas bem-sucedidas e de aprender com os erros, defendendo a ideia de que o sucesso vem de um esforço contínuo e não de um único evento.

Uma das principais estratégias apresentadas é o uso da imaginação criativa para visualizar e planejar o caminho até o sucesso desejado. Hill também enfatiza a importância da auto-disciplina e da determinação para manter o foco e persistir mesmo diante de obstáculos. Além disso, ele defende a ideia de que é possível aprender com os erros e fracassos, tirando lições valiosas para o futuro. Hill também incentiva o uso da lei da atração, ou seja, a crença de que a mente humana tem o poder de atrair aquilo que se deseja, desde que se tenha a fé e a determinação necessárias. Ainda, destaca a importância de se fazer perguntas e buscar respostas para elas, pois isso ajuda a expandir o conhecimento e a compreensão sobre o mundo e sobre si mesmo.

Dentre os principais insights do livro, está o Mastermind: trata-se de uma técnica de grupo que consiste em reunir pessoas que possuem objetivos semelhantes para trocar ideias e ajudar uns aos outros a atingir seus objetivos de maneira mais rápida e eficiente, formando uma espécie de “aliança” para o sucesso mútuo. Segundo Hill, o mastermind é uma das chaves para o sucesso, pois permite que as pessoas compartilhem suas experiências, habilidades e conhecimentos com o grupo, além de receber feedback e orientação de outras pessoas que estão enfrentando desafios similares. Ele acreditava que o mastermind é especialmente útil para aqueles que estão em busca de sucesso em áreas específicas, como negócios, finanças ou relacionamentos, pois permite que as pessoas trabalhem juntas para encontrar soluções e superar obstáculos.

Outro insight valioso do livro é a importância de se ter um plano de ação concreto e bem estruturado. Hill defende que é preciso ter um plano para cada objetivo e seguir esse plano com disciplina e determinação. Ele também destaca a importância de se trabalhar duro e se esforçar para alcançar o sucesso, e fala sobre a importância de se estar sempre aprendendo e se adaptando a novas situações.

Napoleon Hill nasceu em 1883, no estado da Virginia, nos Estados Unidos. Ele era um escritor e consultor de negócios que se dedicou a estudar as características e qualidades que levaram algumas pessoas ao sucesso e à riqueza.

Ele começou a escrever “Quem Pensa Enriquece” a partir de entrevistas que realizou com mais de 500 pessoas bem-sucedidas, incluindo empresários, políticos e até mesmo um presidente dos Estados Unidos. Ao longo de suas 300 páginas, a obra oferece uma mistura de conselhos práticos e inspiradores para aqueles que buscam alcançar o sucesso financeiro e pessoal. O livro foi um best-seller mundial e continua sendo considerado uma obra importante no campo da autoajuda e da motivação.

“Os Segredos da Mente Milionária” é um livro escrito por T. Harv Eker que aborda os hábitos e atitudes que separam as pessoas bem-sucedidas financeiramente das demais. Em inglês, o nome do livro é “The Millionaire Mindset”.

Segundo o autor, é possível mudar a forma como pensamos e agimos para atrair mais riqueza para nossas vidas. Ao longo do livro, Eker explora as crenças e padrões de comportamento que impedem as pessoas de atingir a prosperidade financeira e apresenta estratégias para mudar essas mentalidades limitantes. Ele também oferece exercícios práticos para ajudar os leitores a identificar e transformar seus próprios padrões de pensamento e comportamento. Algumas dessas estratégias incluem:

  • Estabelecer metas financeiras: o autor destaca a importância de estabelecer metas financeiras claras e específicas, e de ter um plano para alcançá-las. Ele também incentiva a utilização de técnicas de visualização para ajudar a tornar essas metas mais concretas e motivadoras.
  • Desenvolver hábitos de poupança e investimento: o autor ensina sobre a importância de se economizar dinheiro e de investir em ativos que geram renda passiva, como imóveis ou ações. Ele também incentiva a criação de um orçamento para ajudar a gerenciar as finanças de maneira mais eficiente.
  • Educar-se financeiramente: o autor argumenta que é importante se educar financeiramente para tomar decisões informadas sobre o dinheiro. Isso pode incluir ler livros e artigos sobre finanças, assistir a palestras e participar de cursos de educação financeira.
  • Buscar oportunidades de negócio e crescimento pessoal: o autor também incentiva os leitores a buscar oportunidades de negócio e de crescimento pessoal, como investir em um negócio próprio ou em um curso de formação. Ele argumenta que essas oportunidades podem ajudar a gerar mais riqueza e a alcançar a prosperidade.

Além dessas estratégias, “Os Segredos da Mente Milionária” também aborda outros tópicos importantes, como a importância de se desenvolver uma mentalidade de abundância e a forma como a nossa relação com o dinheiro pode ser afetada pelos nossos pais e pelo ambiente em que crescemos.

Um dos principais pontos abordados por Eker é a importância de mudar a forma como enxergamos o dinheiro e o valor que damos a ele. Ele argumenta que muitas pessoas têm crenças negativas sobre o dinheiro, como a de que ele é “sujo” ou “difícil de conseguir”, o que as impede de alcançar a prosperidade financeira. O autor sugere que mudar essas crenças pode ajudar a atrair mais riqueza para nossas vidas.

O autor argumenta que muitas pessoas têm crenças negativas sobre o dinheiro, como a de que ele é “sujo”, “difícil de conseguir”, “dinheiro não cresce em árvores” e “rico é sinônimo de avarento”, o que as impede de alcançar a prosperidade financeira. Ele sugere que mudar essas crenças pode ser fundamental para atrair mais riqueza para nossas vidas e que isso pode ser feito através de técnicas de visualização e afirmações positivas. Portanto, a dica mais valiosa do livro pode ser a importância de identificar e mudar crenças limitantes sobre o dinheiro para atrair mais riqueza para nossas vidas.

Eker é empresário, autor e palestrante motivacional americano, conhecido por suas palestras e treinamentos de vendas e liderança. Ele tem se tornado cada vez mais popular por sua abordagem prática e direta para alcançar a riqueza financeira, que ele acredita ser resultado de mudanças de mentalidade e atitudes. Também é o fundador da escola de treinamento “Peak Potentials”.

Em resumo, “Os Segredos da Mente Milionária” é uma obra inspiradora que oferece estratégias práticas para mudar a forma como pensamos e agimos em relação ao dinheiro e atrair mais riqueza para nossas vidas. O livro é indicado para aqueles que desejam melhorar sua situação financeira e alcançar a prosperidade, mas também para aqueles que buscam desenvolvimento pessoal e crescimento profissional.

Quer o resumo de algum livro que não encontrou aqui? Deixe sua sugestão abaixo e faremos o possível para adicioná-lo.

Sua opinião é importante para nós!