Categorias

Autores

tags

Categorias

Autores

tags

O livro “Bitcoin – A Moeda na Era Digital” é um guia completo para entender e investir em bitcoins, escrito por Fernando Ulrich e publicado em 2014, onde ele destrincha o Bitcoin – desde seu ceticismo pessoal inicial com essa tecnologia, até o contexto de seu surgimento, seu funcionamento e como isso se encaixa em nosso mundo atual. O autor é um economista brasileiro que se dedica a estudar a criptomoeda desde seus primeiros anos.

A obra começa com uma introdução ao Bitcoin, explicando sua história, tecnologia e como funciona a mineração, processo utilizado para criar novas unidades da moeda. Em seguida, o autor explora a relação entre dinheiro e poder, e como o Bitcoin pode ser uma ferramenta para diminuir a concentração de poder no sistema financeiro atual.

O paradigma do atual milênio é: crescente perda de privacidade financeira; autoridades monetárias centralizadas e opressivas que abusam do dinheiro isentas de qualquer responsabilidade; e bancos cúmplices de coadjuvantes no desvario monetário. Os pilares do sistema financeiro ocidental consistem em monopólio da emissão de moeda com curso legal forçado e bancos centrais emissores de moeda fiduciária.

Ulrich também discute os aspectos técnicos do Bitcoin, como sua segurança, privacidade e as diferenças em relação a outras moedas digitais. Além disso, ele apresenta exemplos práticos de como comprar e vender bitcoins, armazenar a moeda de forma segura e como utilizar em transações cotidianas.

A invenção do Bitcoin é revolucionária porque, pela primeira vez, o problema do gasto duplo pode ser resolvido sem a necessidade de um terceiro. Ele pode servir tanto como forma de pagamento como também moeda propriamente dita. Também traz vários benefícios, com destaque para a resistência à censura e garantia da propriedade privada. Ainda, sua emissão vai de encontro para a resolução do problema da inflação das moedas fiduciárias, visto que sua emissão é feita de maneira sistematizada, através de uma Meta de Oferta Monetária Assintótica.

Bitcoin é uma tecnologia, e, portanto, não é boa nem má. É neutra. O crime está na ação do infrator, jamais na tecnologia empregada para tal. O Bitcoin, ou qualquer outra forma de dinheiro, pode ser usado para o bem ou para o mal.

No livro também são abordadas questões econômicas e filosóficas, como a função do dinheiro, a inflação e a relação entre indivíduo e Estado. O autor argumenta que o Bitcoin é uma resposta ao controle estatal sobre o dinheiro e pode promover a liberdade financeira, e também discorre de maneira mais técnica sobre teorias monetárias sob viés austríaco, e por quê o Bitcoin se encaixa perfeitamente como um candidato à moeda para os austríacos.

Ao final, Ulrich discute as perspectivas futuras do Bitcoin e como ele pode afetar o sistema financeiro global, bem como os riscos envolvidos em investir na criptomoeda. Ele encerra o livro com uma reflexão sobre a importância do Bitcoin na era digital e como a moeda pode mudar a maneira como pensamos sobre dinheiro e poder.

O Bitcoin tornou evidente algo que até hoje pouco compreendido: lastro não é uma necessidade teórica de uma moeda, apenas uma tecnicidade empírica cujo principal serviço foi o de servir como restrição às práticas imprudentes de banqueiros e às investidas inflacionistas do estado no gerenciamento da moeda.

Em resumo, “Bitcoin – A Moeda na Era Digital” é um guia completo para quem quer entender a criptomoeda mais famosa do mundo e como ela pode transformar o sistema financeiro global. Com uma linguagem clara e acessível, o autor apresenta uma visão abrangente do Bitcoin, explorando suas origens, tecnologia, possibilidades e riscos. Como é uma tecnologia que está em constante evolução, a obra pode estar um pouco defasada e uma nova edição atualizada seria muito bem-vinda.

“O Que Se Vê e O Que Não Se Vê” é um ensaio escrito pelo economista e filósofo francês Frédéric Bastiat em 1850. Bastiat é conhecido por seus escritos sobre liberalismo e livre mercado, e neste livro ele explora brilhantemente a ideia de que muitas vezes as pessoas se concentram apenas nos resultados imediatos e visíveis de uma ação, ignorando as consequências de segunda ordem a longo prazo ou as oportunidades perdidas. Isso ocorre especialmente em medidas intervencionistas adotadas por governos.

O livro começa com um exemplo simples: um vidraceiro que quebra uma janela. Alguém poderia argumentar que isso é bom para a economia, pois cria trabalho para o vidraceiro. Mas Bastiat argumenta que essa visão é limitada, porque não leva em consideração o que poderia ter sido feito com o dinheiro que foi gasto para consertar a janela – esse dinheiro poderia ter sido usado para outras coisas, como comprar um livro ou um par de sapatos, e assim estimular a economia de outras maneiras. Portanto, o que é visível (o trabalho criado para o vidraceiro) não é a única consideração importante.

Outro exemplo que Bastiat usa é o do protecionismo comercial. Ele argumenta que, embora possa parecer que proteger as indústrias nacionais da concorrência estrangeira é benéfico, isso ignora as oportunidades perdidas que surgem quando as pessoas não são livres para trocar bens e serviços uns com os outros. Ele sugere que o comércio livre é na verdade a melhor maneira de criar riqueza e melhorar a vida das pessoas, ainda que no curto prazo algumas indústrias possam sofrer.

O livro também aborda outras questões econômicas, como o papel do governo na economia, o impacto dos impostos e regulamentações e a importância da inovação e do empreendedorismo. Em cada caso, Bastiat argumenta que a compreensão do que não é visível é fundamental para entender como as escolhas econômicas afetam a sociedade como um todo, e traz exemplos muito simples e acessíveis.

Além disso, o autor também tece fortes críticas às obras públicas, exército nacional, protecionismo, “ludistas”, entre outras questões, e mostra como poupar é algo mais benéfico para a sociedade do que ostentar, e que, no fim, poupar é gastar.

Após o fim da obra principal, ele levanta reflexões sobre o que o estado realmente é – a grande ficção através da qual todo mundo se esforça para viver às custas de todo mundo. Apresenta também algumas peças que satirizam e ironizam a mentalidade dos proibicionistas.

No fim, conclui que tais restrições comerciais tornam uma nação mais pobre e que até mesmo os “protegidos” por tais restrições acabam também se prejudicando.

Bastiat nos convida a questionar nossas suposições sobre o que é bom para a economia e a sociedade, nos lembrando que as consequências de nossas escolhas podem ser complexas e de longo prazo, e que é importante considerar não apenas o que é visível, mas também o que não é. Seus argumentos coerentes e lógicos em favor do livre mercado e da liberdade individual continuam a influenciar o pensamento econômico até hoje.

“Misbehaving: A construção da economia comportamental” é um livro escrito por Richard H. Thaler, economista comportamental e vencedor do Prêmio Nobel de Economia em 2017. Publicado em 2015, o livro explora a história da economia comportamental e sua contribuição para o campo da economia tradicional.

Thaler começa o livro discutindo como a economia tradicional se baseia na suposição de que os indivíduos são seres racionais, que tomam decisões lógicas e maximizam seus próprios interesses. No entanto, a realidade é que as pessoas muitas vezes se comportam de maneira irracional, tendo em conta fatores como emoções, hábitos e impulsos.

A economia comportamental, portanto, procura levar em conta esses fatores e compreender como as pessoas realmente tomam decisões, em vez de como elas “deveriam” tomar decisões, de acordo com a economia tradicional. O autor também argumenta que a economia comportamental não é uma alternativa à economia tradicional, mas sim uma extensão dela.

O vencedor do prêmio Nobel também discute várias teorias e descobertas desse campo, incluindo a teoria da contabilidade mental, a aversão à perda e o viés de confirmação. Ele também compartilha vários exemplos do mundo real com estudos práticos realizados com seus colegas de trabalho, onde as pessoas muitas vezes tomam decisões irracionais, incluindo o efeito manada, e vários comportamentos se mostram visíveis, como o viés de ancoragem, o viés da retrospectiva, a falácia do custo afundado, o viés do status quo e outros.

Thaler também aborda a questão da política pública e como a economia comportamental pode ser aplicada para incentivar as pessoas a tomar melhores decisões. Ele discute a teoria do “nudge”, que se concentra em incentivar as pessoas a tomar decisões melhores, em vez de forçá-las a fazer algo, e defende que a implementação de incentivos comportamentais pode ser uma abordagem eficaz para resolver problemas sociais complexos.

Trata-se de um livro interessante e acessível para aqueles que estão interessados em aprender sobre a economia comportamental e a evolução dos estudos nesse campo. Thaler é um escritor talentoso e usa exemplos vívidos e histórias pessoais para explicar conceitos complexos de forma clara e envolvente, e o livro é um apelo à ação para que os economistas levem em conta a realidade do comportamento humano ao modelar e prever o comportamento econômico.

“As seis lições” é um livro publicado em 1979 escrito por Ludwig Von Mises, um economista austríaco que atuou na defesa do laissez-faire e do liberalismo econômico. O nome da obra em inglês é “Six Lessons”. A obra consiste em uma série de palestras proferidas por Mises em Buenos Aires na década de e transcritas nesta obra pós-morte. Mises discorre sobre Capitalismo, Socialismo, Intervencionismo, Inflação, Investimento Externo e Política e Ideias.

  1. O capitalismo: Mises defende que o capitalismo é o sistema que melhor gerou e distribuiu riqueza e qualidade de vida na história da humanidade, permitindo o aumento da produção e do bem-estar da população.
  2. O socialismo: Mises argumenta que o socialismo limita todas as liberdades, não apenas as econômicas, e que sua implementação leva a uma concentração de poder no Estado, ao invés da liberdade individual.
  3. O intervencionismo: Mises afirma que o intervencionismo econômico, ou seja, a intervenção do Estado na economia, leva ao controle total da economia a médio e longo prazo.
  4. A inflação: Mises argumenta que a emissão descontrolada de moeda para financiar gastos do governo ou criar empregos de forma artificial leva a um ciclo inflacionário, prejudicando a economia e a sociedade.
  5. O investimento externo: Mises defende que o investimento externo é o grande mecanismo de desenvolvimento de países, pois permite o acesso a novas tecnologias, mercados e capital.
  6. A relação entre política e ideias: Mises argumenta que as ideias são mais importantes do que a política, pois são as ideias que orientam o comportamento das pessoas e determinam o curso da história.

O autor acredita que o único dever do estado é o de garantir a segurança para a sociedade e quaisquer outras intervenções acabam se tornando ciclos viciosos de cada vez maiores intervenções. Explica ainda o porquê de uma das maiores intervenções, o controle de preços, não funcionar.

Ludwig von Mises teve uma vivência muito marcante que influenciou diretamente em sua obra “As Seis Lições”. Ele nasceu no Império Austro-Húngaro em 1881 e cresceu em uma família de origem judia nobre. Desde cedo, mostrou ser um aluno brilhante e se formou em 1906 na Universidade de Viena, onde teve aulas com o famoso economista Carl Menger. Durante a Primeira Guerra Mundial, Mises atuou como profissional administrativo e membro do Departamento de Guerra da Austria.

Depois da guerra, Mises continuou a se interessar cada vez mais por economia e foi reconhecido por seu brilhantismo. Em 1934, começou a lecionar em Geneva e, em 1940, migrou para os Estados Unidos com a ajuda da Fundação Rockefeller. Na Universidade de Nova York, tornou-se professor em 1945 e continuou lecionando até sua aposentadoria, em 1969.

Por se tratar da transcrição de algumas palestras, não foi possível se aprofundar mais nos itens discernidos; ainda assim, é extremamente acessível para o público leigo e tem linguagem e reflexões simples, sendo a obra uma ótima introdução para o pensamento econômico liberal, e com ideias cada vez mais relevantes para o mundo atual.

Quer o resumo de algum livro que não encontrou aqui? Deixe sua sugestão abaixo e faremos o possível para adicioná-lo.

Sua opinião é importante para nós!