Catálogos de Resumos de Livros

Bem-vindo à nossa página de Resumos de Livros!

Aqui, você encontrará uma seleção cuidadosamente elaborada de resumos concisos e informativos de diversas obras literárias.

Filtros
Filtrar Livros por Categorias
Filtrar por Autores
Filtrar Livros por Autores
Filtrar por Tags
Filtrar Livros por Tags
Filtrar Livros por Categorias
Filtrar por Autores
Filtrar Livros por Autores
Filtrar por Tags
Filtrar Livros por Tags

“Do Mil ao Milhão: Sem Cortar o Cafezinho” é uma obra escrita por Thiago Nigro, fundador do canal O Primo Rico, e foi publicada em 2018. O livro visa fornecer orientações práticas sobre educação financeira, investimentos e estratégias para alcançar a independência financeira, mesmo para aqueles com renda inicial mais modesta. Ele aborda a educação financeira através de três pilares: gastar bem, investir melhor e ganhar mais.

Sendo assim, o livro é dividido nesses três pilares, começando com uma seção para organizar e conter os gastos, eliminar dívidas e diversificar os recursos, e também discorrendo sobre a mentalidade em torno dos impulsos consumistas. Nigro compartilha sua própria experiência pessoal, contando sobre sua história e trajetória, e, enquanto traça paralelos com sua experiência, dá dicas e insights interessantes que podem servir ao leitor. Além disso, o Primo fornece um guia passo a passo para que o leitor possa construir seu patrimônio de mil reais a um milhão.

Em seguida, na seção mais extensa, Nigro trata sobre as diversas modalidades de investimento e instrumentos financeiros disponíveis para qualquer pessoa. Com isso, ele espera capacitar mais o leitor sobre as opções disponíveis. É possível que um completo leigo no assunto se perca neste capítulo, devido à grande quantidade de informações fornecidas de maneira contínua. Por outro lado, para quem já investe e tem um pouco de experiência, são informações até demasiadamente superficiais.

A abordagem do autor é acessível e direta, utilizando uma linguagem simples e exemplos práticos para transmitir conceitos financeiros complexos. Ele destaca a relevância de entender o funcionamento do mercado financeiro e destaca diferentes modalidades de investimento, como ações, fundos imobiliários e tesouro direto, oferecendo dicas específicas para cada uma delas. Apesar disso, por vezes a leitura não é muito cativante devido à prolixidade.

Nigro também discute a importância do empreendedorismo e da busca por novas fontes de renda. Ele encoraja os leitores a explorarem oportunidades de negócios e a pensarem de maneira criativa sobre como aumentar suas receitas, sem necessariamente abrir mão de pequenos prazeres da vida, como tomar um cafezinho.

Ao longo da obra, Thiago Nigro enfatiza a importância do planejamento a longo prazo, da paciência e da disciplina financeira. Ele reforça que o caminho para a independência financeira não acontece da noite para o dia, mas é construído com consistência ao longo do tempo.

Por fim, com foco maior em sua trajetória, ele demonstra diversas atitudes e pensamentos que o guiaram em sua carreira e o fizeram conseguir o emprego dos sonhos e, posteriormente, abrir sua própria empresa.

Em resumo, “Do Mil ao Milhão: Sem Cortar o Cafezinho” oferece um guia prático e motivador para leitores que desejam melhorar suas finanças pessoais e buscar a independência financeira, apresentando estratégias claras e aplicáveis para alcançar esse objetivo.


O livro “O Que O Governo Fez Com Nosso Dinheiro” de Murray N. Rothbard, publicado em 1963 com o título “What Has Government Done to Our Money?”, proporciona uma análise abrangente sobre o dinheiro e o livre mercado na esfera monetária.

Inicialmente, Rothbard explora os fundamentos básicos das trocas voluntárias, destacando a especialização e a divisão genuína do trabalho, de modo que os resultados dessas interações são positivos para ambas as partes. Destacam-se trocas diretas (escambo) e trocas indiretas por meio de bens comerciáveis, suscetíveis às leis de mercado.

Ao discutir o papel do dinheiro, o autor destaca sua função principal como meio de troca e a capacidade de permitir uma complexa estrutura de produção e cálculos econômicos. Sendo assim, o ouro emerge como uma escolha natural para o dinheiro devido à sua facilidade em transações e estoque limitado, tornando-se então uma moeda-mercadoria.

Rothbard argumenta contra a prática de bancos centrais e enfatiza a importância de uma oferta monetária determinada pelo livre mercado. Ele critica a manipulação governamental da moeda, destacando como a inflação, entendida como uma pirâmide financeira devido à maneira que escoa pela sociedade (Efeito Cantillon), prejudica o cálculo econômico, afeta a produtividade e gera ciclos econômicos. Pessoas evidentemente querem mais eficácia monetária (aumento do poder de compra). Entretanto, a imutabilidade do poder de compra é impossível, e este sempre sofrerá oscilações.

O dinheiro é suscetível à oferta e demanda, onde a demanda por dinheiro significa mais bens oferecidos em troca por ele em adição à uma quantia entesourada durante um determinado período. Um aumento na oferta de dinheiro e uma constância em sua demanda significam que o poder de compra cairá. No caso de a demanda por dinheiro subir (ou seja, entesouramento / reserva líquida), ocorre um efeito deflacionário onde o poder de compra sobe e o preço dos bens cai.

Governos só se financiam através de expropriação alheia (tributação). Com a falsificação monetária, conseguiram tal expropriação de maneira mais sutil e despercebida – ou seja, através da inflação. Esta inflação gera aumento de preços não só quantitativa, mas também qualitativa (a qualidade dos produtos caem).

Além disso, o excesso de crédito torna as pessoas mais imprudentes, incentiva demasiadamente o consumo e o endividamento, desincentiva a poupança e moderação e dificulta o cálculo empresarial (o qual estima custos e demandas).

Com isto, podemos observar que o financiamento corporativo pela inflação compõe os ciclos econômicos: o dinheiro criado do nada é usado genuinamente por empreendedores, os quais supõem que tal dinheiro surgiu de poupança voluntária; preços e salários sobem e após o rebalanceamento financeiro da população (ajuste de suas poupanças e orçamento para gastos devido à este aumento salarial) as empresas se mostram insolventes e insustentáveis, fazendo com que a bolha se exploda.

O controle monetário ao longo da história apresentou diversas ferramentas, como o monopólio da cunhagem, que permitia também adulterações, a separação da moeda de seu metal através da atribuição de um nome à unidade metálica e a padronização de denominações novas e antigas pelo mesmo nome. Essa prática resultava na entesouração ou exportação das moedas de massa integral, levando-as a sair de circulação, fenômeno explicado pela Lei de Gresham.

A Lei de Gresham só é válida em uma situação de intervenção (controle de preços coercivos sobre as taxas de câmbio). Ela implica que um dinheiro artificialmente subvalorizado, com o tempo, será entesourado ou exportado, diminuindo sua quantidade em circulação e tornando-o mais escasso, enquanto o dinheiro artificialmente sobrevalorizado será amplamente usado na economia e será mais abundante, consolidando-o como a moeda circulante.

Além disso, o bimetalismo também era usado como ferramenta de controle monetário, onde proporções eram fixadas e uma moeda nominal era criada com base nessa taxa, causava sobrevalorização e subvalorização artificial. O curso forçado pelos governos permitia que bancos operassem insolventes, sendo explorado pelo próprio governo como meio de financiamento em períodos de guerra.

Com a evolução dessas ferramentas de controle monetário, surgiram os bancos centrais, que detinham o monopólio da emissão de cédulas monetárias. Esses bancos foram criados para proporcionar ao governo total controle e direção da inflação, destacando-se o Federal Reserve.

Depois de toda esta base teórica esplanada, o autor agora faz uma análise do histórico monetário ocidental, de modo que ele aborda o declínio dos padrões ouro-clássico (1815 a 1914) e posterior ouro-câmbio (1926 a 1931), o qual tinha a libra esterlina como moeda-chave. No período pré-guerra até o fim da Segunda Guerra Mundial (1931 a 1945), os papéis-moedas flutuantes predominaram. Com o fim da guerra surgiu o Acordo de Bretton Woods, que não passava de um novo padrão ouro-câmbio americano (1945 a 1968).

O ouro abundante nos cofres americanos e a fragilização mundial permitiu que o sistema durasse mais tempo que o inglês. O dólar artificialmente subvalorizado, no período pós-guerra deste sistema, também acabou gerando um desabastecimento mundial de dólares.

Entretanto, por todos os países precisarem manter reservas de dólar, com o tempo este dólar ficou sobrevalorizado; os déficits americanos se tornaram recorrentes; o dólar foi inflacionando e poder de compra do dólar foi caindo; e países repudiavam cada vez mais a obrigação de terem de manter as reservas em dólares, e cada vez mais também solicitavam as restituições em ouro, o que gerou um grande fluxo negativo de ouro dos cofres americanos.

Com isto, houve um período de declínio do acordo de Bretton Woods (1968 a 1971), que desencadeou no surgimento de um duplo mercado de ouro, em uma tentativa de manipular o seu preço e ignorar o preço do livre mercado. Isto acabou sendo um tiro no pé, pois a cotação do ouro perante ao dólar, no livre mercado, se mostrou muito alta, expondo a fraqueza do poder de compra do dólar.

Assim se deu o fim do Acordo de Bretton Woods e volta dos papéis-moeda flutuantes (08 a 12/1971), onde Richard Nixon deu fim ao acordo e tornou as moedas fiduciárias como exclusivamente predominantes mundo afora, sendo agora, pela primeira vez, o dólar sem lastro algum.

Desta forma, papéis-moeda flutuantes (03/1973 a 09/2008) compuseram, durante décadas, o sistema monetário internacional. Possuía algumas características, como: a exclusividade de moedas fiduciárias (lastreadas em confiança no governo); blocos econômicos fixando taxas cambiais; reservas se tornando abundantes; empresas se beneficiando da desvalorização do dólar, o que barateou a exportação de produtos americanos e os encareceu internamente nos EUA (inflação alta para os consumidores americanos). Esta fase foi a nona e última fase vivida por Rothbard, que faleceu em 1995.

A última fase, analisada por Fernando Ulrich no posfácio, revela uma décima fase caracterizada por desvalorizações competitivas e políticas econômicas sem embasamento teórico. A crise do Subprime e a implementação do Quantitative Easing são abordadas como fenômenos contemporâneos que refletem a continuidade das práticas questionáveis no sistema financeiro mundial.

Bancos centrais imprimem o quanto for necessário, comprando ativos tóxicos de bancos insolventes, e provendo liquidez ao sistema. Estabelecem taxas de juros a 0, de modo que países tiveram que seguir esta tendência ou suas moedas se apreciariam muito, prejudicando suas exportações. De acordo com Ulrich, ainda vivemos na mãe de todas as bolhas: dívida soberana e promessas do governo.

Rothbard conclui o livro com uma reflexão sobre a coação governamental, afirmando que ela não produz ordem, mas sim conflito e caos, além de apontar o “plano final” dos governos e bancos. Já Ulrich conclui que lições não foram aprendidas.

O livro “Thomas Sowell e a Aniquilação de Falácias Ideológicas,” escrito por Dennys Garcia Xavier e publicado em 2019, traz uma análise profunda dos argumentos e visões do renomado economista e professor Thomas Sowell. Este livro é uma coletânea de resenhas de vários autores, intelectuais, economistas e professores universitários, que analisam a obra e os pensamentos de Sowell – não é um livro do próprio Thomas Sowell.

A obra inicia com uma contextualização da biografia de Thomas Sowell, destacando sua trajetória de vida e suas superações. Sowell, um economista negro, enfrentou desafios consideráveis ao longo de sua vida, mas optou por não se vitimizar nem buscar privilégios, o que é um ponto essencial para compreender sua abordagem em relação às questões sociais.

Os autores do livro dissecam diversos temas abordados por Sowell, oferecendo análises críticas e opiniões. Entre os tópicos discutidos estão o racismo, políticas assistencialistas, ações afirmativas, socialismo, marxismo, ativismo judicial, doutrinação na educação e políticas urbanas, entre outros.

Um conceito fundamental apresentado por Sowell é a divisão da sociedade em “ungidos” e “ignorantes.” Os “ungidos” se consideram moralmente superiores e acreditam ter todas as soluções para os problemas do mundo, muitas vezes promovendo ações que podem resultar em consequências negativas não intencionais. Os “ignorantes” são aqueles que reconhecem a complexidade do mundo real, a necessidade de avaliar as ações e suas consequências, e frequentemente são rotulados de insensíveis ou retrógrados pelos “ungidos.”

Os autores brasileiros também contextualizam as análises de Sowell à realidade do Brasil, destacando como questões ideológicas e políticas problemáticas estão presentes no país, semelhantes às observadas nos Estados Unidos.

Embora a estrutura do livro possa ser considerada confusa em alguns momentos e a leitura seja um pouco cansativa, a análise crítica de Sowell e sua abordagem a questões sociais, econômicas e políticas se tornam valiosas ao entender a essência do livro. O livro oferece uma visão clara e ponderada sobre muitas questões contemporâneas e é particularmente relevante para leitores interessados em política, economia e análise social.

Em resumo, “Thomas Sowell e a Aniquilação de Falácias Ideológicas” é uma coletânea de resenhas que analisa as perspicazes reflexões de Thomas Sowell, um economista e pensador respeitado, sobre uma variedade de tópicos ideológicos, trazendo contexto ao Brasil e ao mundo atual. É uma leitura recomendada para quem busca uma compreensão mais aprofundada de questões contemporâneas e políticas.

O livro “Anatomia do estado” é uma obra escrita por Murray Rothbard e publicada originalmente em 1974, abordando a crítica ao papel do estado na sociedade. Rothbard foi um importante teórico do libertarianismo e da escola austríaca de economia.

Na obra, Rothbard faz uma análise crítica, pragmática e cirúrgica do estado, argumentando que o mesmo é uma instituição coercitiva e monopolista que se sustenta pela violência. Ele argumenta que o estado é um parasita social que se alimenta da riqueza produzida pela sociedade, sem produzir nada em troca. Rothbard afirma que o estado é um agente de coerção que interfere na vida das pessoas e as priva de sua liberdade individual, em troca de supostamente oferecer segurança e proteção.

Além disso, o autor analisa o papel do estado na economia, argumentando que o mesmo é um agente que distorce os preços, e que seu intervencionismo no mercado gera ineficiências e ineficácias. Rothbard afirma que a economia de mercado é a melhor forma de organizar a sociedade, sem a necessidade de um estado, e também a mais ética.

O autor ainda aborda a questão da propriedade, afirmando que a mesma deve ser baseada na posse e no uso, e não na mera apropriação legal. Rothbard argumenta que o estado viola a propriedade privada ao cobrar impostos e restringir o uso dos bens, e que de fato a propriedade inexiste onde quer que exista um estado.

Ao longo do livro, Rothbard defende a ideia de que a sociedade pode se organizar de forma voluntária, sem a necessidade do estado. Ele propõe a descentralização do poder e a adoção de sistemas de governança baseados na liberdade individual e no livre mercado.

Sendo assim, “Anatomia do estado” é uma obra fundamental para entender a crítica libertária ao estado e suas consequências para a sociedade, principalmente nos dias atuais em que seus poderes vêm crescendo assustadoramente. O livro é uma leitura essencial para aqueles que buscam compreender a visão libertária da política e da economia, bem como refletir sobre os limites e as possibilidades da ação do estado.

O livro “Bitcoin – A Moeda na Era Digital” é um guia completo para entender e investir em bitcoins, escrito por Fernando Ulrich e publicado em 2014, onde ele destrincha o Bitcoin – desde seu ceticismo pessoal inicial com essa tecnologia, até o contexto de seu surgimento, seu funcionamento e como isso se encaixa em nosso mundo atual. O autor é um economista brasileiro que se dedica a estudar a criptomoeda desde seus primeiros anos.

A obra começa com uma introdução ao Bitcoin, explicando sua história, tecnologia e como funciona a mineração, processo utilizado para criar novas unidades da moeda. Em seguida, o autor explora a relação entre dinheiro e poder, e como o Bitcoin pode ser uma ferramenta para diminuir a concentração de poder no sistema financeiro atual.

O paradigma do atual milênio é: crescente perda de privacidade financeira; autoridades monetárias centralizadas e opressivas que abusam do dinheiro isentas de qualquer responsabilidade; e bancos cúmplices de coadjuvantes no desvario monetário. Os pilares do sistema financeiro ocidental consistem em monopólio da emissão de moeda com curso legal forçado e bancos centrais emissores de moeda fiduciária.

Ulrich também discute os aspectos técnicos do Bitcoin, como sua segurança, privacidade e as diferenças em relação a outras moedas digitais. Além disso, ele apresenta exemplos práticos de como comprar e vender bitcoins, armazenar a moeda de forma segura e como utilizar em transações cotidianas.

A invenção do Bitcoin é revolucionária porque, pela primeira vez, o problema do gasto duplo pode ser resolvido sem a necessidade de um terceiro. Ele pode servir tanto como forma de pagamento como também moeda propriamente dita. Também traz vários benefícios, com destaque para a resistência à censura e garantia da propriedade privada. Ainda, sua emissão vai de encontro para a resolução do problema da inflação das moedas fiduciárias, visto que sua emissão é feita de maneira sistematizada, através de uma Meta de Oferta Monetária Assintótica.

Bitcoin é uma tecnologia, e, portanto, não é boa nem má. É neutra. O crime está na ação do infrator, jamais na tecnologia empregada para tal. O Bitcoin, ou qualquer outra forma de dinheiro, pode ser usado para o bem ou para o mal.

No livro também são abordadas questões econômicas e filosóficas, como a função do dinheiro, a inflação e a relação entre indivíduo e Estado. O autor argumenta que o Bitcoin é uma resposta ao controle estatal sobre o dinheiro e pode promover a liberdade financeira, e também discorre de maneira mais técnica sobre teorias monetárias sob viés austríaco, e por quê o Bitcoin se encaixa perfeitamente como um candidato à moeda para os austríacos.

Ao final, Ulrich discute as perspectivas futuras do Bitcoin e como ele pode afetar o sistema financeiro global, bem como os riscos envolvidos em investir na criptomoeda. Ele encerra o livro com uma reflexão sobre a importância do Bitcoin na era digital e como a moeda pode mudar a maneira como pensamos sobre dinheiro e poder.

O Bitcoin tornou evidente algo que até hoje pouco compreendido: lastro não é uma necessidade teórica de uma moeda, apenas uma tecnicidade empírica cujo principal serviço foi o de servir como restrição às práticas imprudentes de banqueiros e às investidas inflacionistas do estado no gerenciamento da moeda.

Em resumo, “Bitcoin – A Moeda na Era Digital” é um guia completo para quem quer entender a criptomoeda mais famosa do mundo e como ela pode transformar o sistema financeiro global. Com uma linguagem clara e acessível, o autor apresenta uma visão abrangente do Bitcoin, explorando suas origens, tecnologia, possibilidades e riscos. Como é uma tecnologia que está em constante evolução, a obra pode estar um pouco defasada e uma nova edição atualizada seria muito bem-vinda.

“O Que Se Vê e O Que Não Se Vê” é um ensaio escrito pelo economista e filósofo francês Frédéric Bastiat em 1850. Bastiat é conhecido por seus escritos sobre liberalismo e livre mercado, e neste livro ele explora brilhantemente a ideia de que muitas vezes as pessoas se concentram apenas nos resultados imediatos e visíveis de uma ação, ignorando as consequências de segunda ordem a longo prazo ou as oportunidades perdidas. Isso ocorre especialmente em medidas intervencionistas adotadas por governos.

O livro começa com um exemplo simples: um vidraceiro que quebra uma janela. Alguém poderia argumentar que isso é bom para a economia, pois cria trabalho para o vidraceiro. Mas Bastiat argumenta que essa visão é limitada, porque não leva em consideração o que poderia ter sido feito com o dinheiro que foi gasto para consertar a janela – esse dinheiro poderia ter sido usado para outras coisas, como comprar um livro ou um par de sapatos, e assim estimular a economia de outras maneiras. Portanto, o que é visível (o trabalho criado para o vidraceiro) não é a única consideração importante.

Outro exemplo que Bastiat usa é o do protecionismo comercial. Ele argumenta que, embora possa parecer que proteger as indústrias nacionais da concorrência estrangeira é benéfico, isso ignora as oportunidades perdidas que surgem quando as pessoas não são livres para trocar bens e serviços uns com os outros. Ele sugere que o comércio livre é na verdade a melhor maneira de criar riqueza e melhorar a vida das pessoas, ainda que no curto prazo algumas indústrias possam sofrer.

O livro também aborda outras questões econômicas, como o papel do governo na economia, o impacto dos impostos e regulamentações e a importância da inovação e do empreendedorismo. Em cada caso, Bastiat argumenta que a compreensão do que não é visível é fundamental para entender como as escolhas econômicas afetam a sociedade como um todo, e traz exemplos muito simples e acessíveis.

Além disso, o autor também tece fortes críticas às obras públicas, exército nacional, protecionismo, “ludistas”, entre outras questões, e mostra como poupar é algo mais benéfico para a sociedade do que ostentar, e que, no fim, poupar é gastar.

Após o fim da obra principal, ele levanta reflexões sobre o que o estado realmente é – a grande ficção através da qual todo mundo se esforça para viver às custas de todo mundo. Apresenta também algumas peças que satirizam e ironizam a mentalidade dos proibicionistas.

No fim, conclui que tais restrições comerciais tornam uma nação mais pobre e que até mesmo os “protegidos” por tais restrições acabam também se prejudicando.

Bastiat nos convida a questionar nossas suposições sobre o que é bom para a economia e a sociedade, nos lembrando que as consequências de nossas escolhas podem ser complexas e de longo prazo, e que é importante considerar não apenas o que é visível, mas também o que não é. Seus argumentos coerentes e lógicos em favor do livre mercado e da liberdade individual continuam a influenciar o pensamento econômico até hoje.

Quer o resumo de algum livro que não encontrou aqui? Deixe sua sugestão abaixo e faremos o possível para adicioná-lo.

Sua opinião é importante para nós!